louvor-em-todo-o-tempo

Paulo e Silas, por libertarem uma moça endemoninhada, foram injustamente açoitados e presos. A Bíblia nos diz que as roupas deles foram tiradas, e em seguida foram açoitados. Esses açoites eram aplicados com varas e não tinham um limite definido. Após serem açoitados e marcados com muitos ferimentos, foram lançados no cárcere interior. Este lugar não era no espaço comum dos outros presos, mas um recinto ainda pior, mais escuro, úmido e fétido. Além de estarem neste lugar, eles estavam com os pés presos ao tronco; um instrumento de tortura, pois deixavam as pernas e o corpo extremamente desconfortáveis. A grande verdade é que esses dois homens estavam passando por um grande sofrimento. Contudo, devido à postura de Paulo e Silas, vemos que houve uma mudança de situação; que incluiu, entre outras coisas, a oração, louvor e adoração.

 

I – Resposta ao sofrimento.

“Por volta da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando hinos a Deus; os outros presos os ouviam” (v.25).

Os sofrimentos podem ser causados por diferentes razões. Muitos deles ocorrem por erros próprios, decisões erradas, etc. Outros advém da maldade humana ou ações malignas. Ainda há aqueles que não se sabe exatamente a origem. No entanto, os mais difíceis de lidar são aqueles que resultam de ações de bondade e de acusações injustas. O que Paulo e Silas sofreram têm a ver com essas últimas citações. A resposta deles ao sofrimento injusto foi oração e louvor. Apesar da injustiça humana, eles engrandeciam Àquele que é, absolutamente, justo. Eles não culparam a Deus pelo sofrimento, mas entenderam que aquilo ocorria por conta da realidade de um mundo dominado pela maldade. Aqueles homens não interpretaram a adversidade como uma barreira para louvar ou testemunhar, mas como uma oportunidade para fazer essas coisas.

Como nós temos respondido aos nossos sofrimentos? Apesar deles, têm havido louvor? Davi disse: “Bendirei o Senhor o tempo todo! Os meus lábios sempre o louvarão” (Sl 34.1). Sofrem menos com os sofrimentos aqueles que lidam com os sofrimentos de maneira mais apropriada.

 

II – Resposta divina aos louvores.

“De repente, houve um terremoto tão violento que os alicerces da prisão foram abalados. Imediatamente todas as portas se abriram, e as correntes de todos se soltaram” (v.26).

Paulo e Silas louvaram e adoraram a Deus, não para que Deus os beneficiasse; mas, simplesmente, porque já tinham sido beneficiados com a salvação. Eles reconheceram que Senhor era digno de receber louvor e adoração por tudo o que Ele era e tinha feito. O alvo do louvor deles era o próprio Deus, não eles mesmos. Diante do louvor sincero e da verdadeira adoração, aqueles homens tiveram uma resposta divina. Deus respondeu com libertação das correntes e com portas abertas. O louvor que prioriza Deus e O coloca no senhorio de todas as situações, faz com que Ele realize o extraordinário. O louvor e adoração despretensiosos, quanto a receber alguma coisa de Deus; mas que pretende, simplesmente, exaltá-Lo sempre experimentará surpreendentes ações divinas.

Diante disso, somos desafiados a louvar a Deus por tudo o que Ele já fez e adorá-Lo por tudo o que Ele é. Isso deve ser feito com despretensão pessoal, mas ao mesmo tempo sabendo que Deus, de alguma forma, vai manifestar a Sua gloriosa presença.

 

III – Outros resultados.

“[…] as correntes de todos se soltaram” (v.26c). “Então levou-os para fora e perguntou: ‘Senhores, que devo fazer para ser salvo?’ Eles cialis generique responderam: ‘Creia no Senhor Jesus, e serão salvos, você e os de sua casa’. E pregaram a palavra de Deus, a ele e a todos os de sua casa. Naquela mesma hora da noite o carcereiro lavou as feridas deles; em seguida, ele e todos os seus foram batizados” (v.30-34).

Como resultado do louvor prestado a Deus, mesmo em tempos difíceis, os outros presos experimentaram libertação das cadeias; e o carcereiro e sua família foram salvos e batizados. As murmurações nunca trarão bons resultados, mas o louvor sempre trará resultados maravilhosos.

Se louvarmos ao Senhor em todo o tempo e O adorarmos em espírito e em verdade, muitos outros conhecerão o poder de Cristo e veremos um número maior de pessoas sendo salvas.

 

Concl. Louvemos e adoremos a Deus em todo o tempo, mesmo nos momentos de dor e angústia; respondamos aos sofrimentos, também, com louvor. Louvemos a Deus por tudo o que Ele já fez e O adoremos por aquilo que Ele é. Assim, experimentaremos muito mais de Sua presença; libertações, milagres e muitos outros serão salvos.

Pastor Silas Zdrojewski