abencoados-e-abencoar_2

No aniversário dos 61 anos da Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular, queremos abordar alguns assuntos que estão no capítulo 61 do livro de Isaías. Este homem foi o profeta que mais falou sobre Jesus, no Antigo Testamento. Seu livro foi escrito cerca de 700 anos antes de Cristo e é chamado, por alguns, de Evangelho do Antigo Testamento. A passagem que lemos é citada, por Jesus, em Lucas 4.16-22. levitra cost per pill at walmart Cristo, após fazer a leitura deste texto, em uma sinagoga, afirmou que esta profecia se cumpria nEle. Vemos dentro do texto a autoridade do Senhor Jesus, as maravilhosas bênçãos que só Ele, e ninguém mais, pode conceder. E, junto a essas grandes promessas de bênçãos, são mostradas algumas ações que colocam os abençoados como instrumentos de bênção. Neste aniversário, busquemos ser mais conscientes da autoridade de Cristo, das bênçãos que temos nEle e do privilégio de podermos ser instrumentos de bênção, para a vida de muitos outros.

 

 I – A autoridade de Jesus.

“O Espírito do Soberano, o Senhor, está sobre mim, porque o Senhor ungiu-me para […]” (v.1-3).

Jesus, o Filho de Deus, se fez homem e foi ungido, como homem, para realizar a obra que traria redenção aos que cressem no nome dEle. O Espírito Santo concebeu Jesus no ventre de Maria (Lc 1.35) e veio sobre Jesus no momento em que Ele foi batizado nas águas (Mt 3.16). Em Atos 10.38 lemos: “[…] como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, e como ele andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo Diabo, porque Deus estava com ele”. A unção traz autoridade, capacitação e poder para cumprir uma missão determinada por Deus. Jesus foi O Cristo, que significa O Ungido.

Aquele que é o nosso Salvador e Senhor foi ungido pelo Espírito Santo para realizar a obra determinada pelo Pai, para nos salvar, e assim transformar toda a nossa vida.

 

II – As bênção de Cristo sobre nós.

“[…] para levar boas notícias aos pobres. Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros, para proclamar o ano da bondade do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; para consolar todos os que andam tristes, e dar a todos os que choram em Sião uma bela coroa em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de pranto, e um manto de louvor em vez de espírito deprimido” (v.1b-3a).

Jesus veio para nos trazer boas notícias, curar os nossos corações, trazer libertação, manifestar a luz que vence as trevas, trazer um tempo de grande manifestação da bondade divina (Ano Jubileu); consolação para os tristes, substituir cinzas por coroas, tristeza por alegria, depressão por louvor.

Tudo o que Jesus veio trazer é tudo o que todos nós precisamos. Vivemos em um mundo de más notícias, mas o Evangelho nos dá a maravilhosa notícia de que temos vida eterna em Cristo Jesus (Jo 3.16). O Senhor manifestou as bênçãos do Ano do Jubileu (Lv 25.8-17), que era um tempo em que as dívidas eram canceladas, os bens restituídos, os escravos libertos. Jesus, em sua morte na cruz, proporcionou todas essas maravilhosas bênçãos em nossa vida espiritual e em outras áreas.

 

III – Chamados para abençoar.

“Eles serão chamados carvalhos de justiça, plantio do Senhor, para manifestação da sua glória. Eles reconstruirão as velhas ruínas e restaurarão os antigos escombros; renovarão as cidades arruinadas que têm sido devastadas de geração em geração” (3b-4). “Mas vocês serão chamados sacerdotes do Senhor, ministros do nosso Deus […]” (v.6a).

Carvalhos de justiça, assim eram chamados os homens fortes que se aplicavam à retidão. Os abençoados pelo Ungido do Senhor, Cristo, são chamados para manifestar a glória de Deus na terra. Para serem agentes de restauração, reconstrução e para mudar as realidades negativas; que vem se perpetuando de geração em geração. As Escrituras ainda nos identificam como sacerdotes e ministros do Senhor , e 1 Pd 2.9 confirma esse chamado.

Este é o nosso chamado como igreja. Somos as pessoas mais abençoadas do mundo; pois fomos lavados no sangue de Jesus. Temos o nosso nome escrito no livro da vida, desfrutamos de paz com Deus e da presença dEle conosco e em nós. Com tantas bênçãos sobre nós, somos responsáveis por abençoar a todos aqueles que estão ao nosso alcance.

 

Conclusão: Quão privilegiados somos! A graça do Ungido nos alcançou (Ef 2.8,9). Somos as pessoas mais abençoadas da face da terra, e chamados para abençoar. Que neste aniversário de 61 anos da Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular de Curitiba, estas verdades estejam cada vez mais incorporadas em nossa vida. Parabéns!

Pastor Silas Zdrojewski