A igreja nasceu no Pentecostes em obediência à Palavra de Deus, no poder e na direção do Espírito Santo. Em seu início ela enfrentou sérias perseguições, mas continuou fiel e crescendo.No entanto, o Imperador Constantino,por meio do Edito de Milão em (313),acabou com a perseguição romana aos cristãos. Este governante disse que se convertera ao cristianismo. A partir desse tempo a igreja passou a experimentar um certo conforto e começou a negociar princípios para manter as suas benesses. As pequenas negociações, ao longo do tempo, porém, se transformaram em grandes desvios doutrinários.
A Igreja chegara a um altíssimo nível de corrupção doutrinária e alguns homens, considerados pré reformadores,como John Wycliffe(Inglaterra – final do século XIV) começaram a se levantar contra isso. Wycliffe se posicionou contra as indulgências, defendeu a autoridade das Escrituras, traduziu-as para o idioma inglês e escreveu muitos outros livros. A igreja romana o declarou herege, e trinta anos depois da morte dele, ordenou que os seus escritos fossem queimados; exumou seus ossos, queimou-os e jogou as suas cinzas no rio. Wycliffe inspirouJohnHussque, igualmente, foi contra as indulgências, defendeu a Bíblia como autoridade absoluta e ensinou que só Deus poderia perdoar pecados. Hussmorreu queimado por não se retratar de suas convicções. Ao morrer, orou pelos seus inimigos e cantou salmos. Ele declarou: “Podem matar o ganso (em alemão, sua língua natal,huss é ganso), mas daqui a cem anos, Deus suscitará um cisne que não poderão queimar”; 102 anos depois Lutero pregava as suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg.Outros pré- reformadores foram Jerônimo Savonarola e Erasmo de Roterdã,que também tiveram vidas piedosas e prepararam o terreno para a reforma luterana. Esses homens concluíram que a salvação não viria pelas obras humanas e o perdão dos pecados não seria dado com o pagamento das indulgências. Após esses pré-reformadores, veio Lutero e este foi o nome mais destacado da Reforma.
Lutero nasceu em uma família simples, mas teve um pai que procurou de todas as formas viabilizarem uma boa educação para os filhos. Lutero demonstrou uma dedicação especial pelos estudos. Por conta disso, foi enviado para buscar uma boa formação acadêmica, porém não tinha o suprimento econômico necessário. O jovem Lutero teve que cantar nas ruas e até pedir esmolas para obter o seu sustento. Após muitos acontecimentos ele se tornou um monge agostiniano. Desenvolveu-se academicamente, graduou-se, tornou-se mestre e doutor em teologia. Dominava, entre outras línguas, o hebraico e o grego. Posteriormente, tornou-se deão acadêmico, em 1512.
Ele era um religioso exemplar que buscava a Deus com sinceridade, cumpria todas as instruções religiosas da sua ordem e ia além delas. Contudo, nunca alcançara a segurança da salvação. Ele estava, frequentemente, no confessionário; e, às vezes, quando saia do confessionário, lembrava que esquecera de confessar algum pecado e voltava em seguida para fazê-lo. Em suas funções acadêmicas ele dedicou-se ao estudo da Bíblia e, a partir do entendimento das Escrituras, teve uma clara revelação divina na leitura de Romanos 1.17, recebendo o entendimento da salvação a partir da justificação pela fé.
Lutero, após entender essa verdade, absorve uma consciência bíblica e passa a ficar muito incomodado com as indulgências do catolicismo romano. Ficou sabendo que muitas pessoas de Wittenberg passaram a se deslocar para o domínio do arcebispo Alberto para adquirir certificados de indulgências (documento papal que declarava os pecados perdoados). Naquela região, ficou responsável pela venda das indulgências um padre e arcebispo dominicano, chamado João Tetzel. A metade do dinheiro arrecadado se destinava ao término da construção da Basílica de São Pedro.
Nas indulgências as pessoas pagavam pelo perdão de seus pecados temporais; e, então, não passariam pelo purgatório. O Papa Leão X concedeu a João Tetzel a autoridade para conceder graça até a quem tivesse engravidado Maria, mãe de Jesus; desde que essa pessoa depositasse a soma adequada. Instituiu-se que a cruz das indulgências com o brasão papal, erguida nas igrejas teria o mesmo poder da cruz de Cristo. Apregoava-se que as indulgências deixavam o pecador mais limpo que Adão antes do pecado. Elas também eram pagas em favor daqueles que já tinham morrido e estavam no purgatório; dizia-se: “Logo que a moeda na caixa ecoa, uma alma do purgatório para o céu voa”. Para Lutero isso tudo não passava de um incrível desprezo pela graça divina, que não podia ser comprada ou merecida. Diante dessas barbáries doutrinárias, Lutero fixa suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg, e começa a reforma protestante. Posteriormente, foram escritas as Cinco Solas que são um resumo das 95 teses, as quais são: Somente Cristo; Somente a Graça; Somente a Fé; Somente a Escritura; Somente a Deus a glória.
Curiosidades: 1 – Lutero dizia que se não orasse, pelo menos, duas horas no período da manhã, o diabo poderia vencê-lo. 2 – Para alguém ler tudo o que Lutero escreveu, precisaria ser fluente em alemão e ler oito horas por dia, durante 15 anos. 3 – A Reforma trouxe uma democratização da educação, pois até então só o clero e as classes sociais mais altas tinham acesso ao ensino acadêmico. 4 – A primeira escola primária da Europa foi fundada por Calvino (outro reformador). 5 – Harvard e Oxford foram fundadas por protestantes. 6 – Dos 53 cientistas que nos deram a ciência moderna, 52 eram protestantes.
Agora, vamos falar sobre as “Cinco Solas”.

 I –Somente Cristo.
1. “Pois vocês são salvos […]” (2.8a).“Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4.12). Os textos de Jo 14.6 e 1 Tm 2.5,6 igualmente trazem o conceito de “Só Cristo”.
2. Salvos (gr. σωζω – sozo ), aqueles que tem Salvação (gr. σωτηρια – soteria). Salvação significa libertação; envolve mais do que absolvição ou perdão. Aqui, Paulo usa essa palavra para se referir à libertação da morte pelo pecado (2.1), do curso deste mundo (2.2), do domínio de Satanás (2.2), da ira de Deus (2.3).
3. Lutero negou que os santos tivessem crédito excedente acumulado e argumentou que os santos, ainda que piedosos, não têm poder de serem mediadores entre nós e Deus. O Senhor nos proporciona Salvação, que está somente em Cristo. Jesus nos salva, liberta, do pecado que nos separa de Deus, nos dá vida terrena em comunhão com Ele. E nos dará a eterna, no céu, pois somos livres da ira de Deus pelo sangue de Cristo. Nele também recebemos libertação dos domínios mundanos e malignos.

 

II – Somente a Graça.
1. “[…] salvos pela graça… e isto não vem de vocês, é dom de Deus […]” (2.8c,d).
2. Graça (gr. χαρις – charis) = amável bondade, favor. Representa a iniciativa misericordiosa e cheia de amor que Deus nos oferece para proporcionar salvação por meio de Cristo, como uma dádiva gratuita. A origem da salvação está na graça divina. Existe ainda o reforço do conceito que diz que isso não vem de nós, mas é dom, presente de Deus.
3. Fica claro que “Somente a graça”, divina, pode nos salvar; não os méritos pessoais. Aqui está mais uma das solas. A graça de Deus fez com que Ele cumprisse a Sua justiça por nós, e Ele realizou isso em Jesus Cristo.

 

III – Somente a Fé.
1. “[…] por meio da fé […]” (2.8b).“Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: “O justo viverá pela fé” (Rm 1.17).
2. Fé (gr. πιστις – pistis) = convicção da verdade a respeito de alguma coisa. Neste texto, refere-se a nossa resposta à graça de Deus. Por meio da fé é que recebemos a salvação pela graça. A justiça de Deus é revelada no Evangelho, que testemunha a respeito de Jesus e de Sua obra vicária (substituta) em nosso lugar. Ele se tornou pecado por nós; ou seja, a justiça de Deus que exige que o pecado seja castigado, veio sobre Cristo.
3. Para sermos salvos precisamos crer na graça de Deus. A justiça que se recebe de Deus é por meio da fé. Então, somente a fé, não as obras.

IV – Somente a Escritura.
1. “[…] E são as Escrituras que testemunham a meu respeito […]” (Jo 5.39). “Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens” (Mc 7.8).
2. A igreja romana defendia que existiam duas regras de fé para um cristão: a Bíblia e a tradição da igreja, que era formada pelos seus documentos, bulas e encíclicas papais. Contudo, só a Bíblia é a absoluta regra de fé e prática que o cristão deve ter; ela é o nosso absoluto. Jesus repreendeu os religiosos da época que se apegavam às suas tradições e negligenciavam os mandamentos divinos. Até o Concílio Vaticano II (metade do século XX) a leitura da Bíblia era proibida ao leigo.
3. Na atualidade, muitas coisas se levantam contra as Escrituras. Há pessoas, organizações e movimentos que querem se sobre por a Bíblia, porém nós sabemos que Ela é a verdade divina absoluta. Portanto, somente a Escritura.

 

V – Somente a Deus a glória.
1. “Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre! Amém” (Rm 11.36). “Todo o que é chamado pelo meu nome, a quem criei para a minha glória, a quem formei e fiz” (Is 43.7).
2. O homem foi criado para a glória de Deus, portanto tudo o que o ser humano faz deve ser destinado à glória do Senhor. Mas, no tempo de Lutero, a igreja exigia devoção ao clero e quando se estava na presença do Papa e dos cardeais, havia uma verdadeira glorificação desses homens. Deus diz em Sua Palavra: “[…] Não darei a outro a minha glória nem a imagens o meu louvor” (Is 42.8b), “[…] Não darei minha glória a nenhum outro” (Is 48.11c).
3. Em nossa vida devemos honrar pais e autoridades, mas a glorificação, somente a Deus deve ser dada. Cuidemos para não buscar glória pessoal, mas buscá-la para Deus, pois somente a Ele a glória deve ser dada.

 

Concl. Nesses 500 anos dessa abençoada reforma, tenhamos a convicção de que somente Cristo salva; que a salvação é obra da graça divina; e que a fé é o meio pelo qual recebemos a graça salvadora. Lembremos que somente a Escritura é a nossa regra de fé e conduta; e que a glória pertence somente a Deus.

Pastor Silas Zdrojewski