Nesta passagem, o apóstolo Pedro usa duas analogias para falar da nobre posição do cristão -como um templo e como um sacerdócio. Quando ele usa a expressão casa espiritual, refere-se ao templo, pois em vários momentos o templo é nomeado como “casa” (Ez 5.13; Sl 42.4; 1Tm 3.15). Ao comunicar que seus destinatários eram sacerdotes, Pedro lhes atribui uma identidade e função muito nobres, o que significava um grande encorajamento.A partir dessa afirmação bíblica é que a Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular de Curitiba elege, como um de seus principais valores, o Sacerdócio Universal de todos os Santos.

 

I – A pedra e as pedras.

a) “À medida que se aproximam dele, a pedra viva — rejeitada pelos homens, mas escolhida por Deus e preciosa para ele — vocês também estão sendo utilizados como pedras vivas na edificação de uma casa espiritual para serem sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo” (v.4,5). “Portanto, para vocês, os que creem, esta pedra é preciosa”(v.7a).

b) Há uma discussão a respeito de quem é a pedra sobre a qual a Igreja seria edificada (Mt 16.18). Alguns dizem que Jesus se referiu a Pedro, e outros afirmam que Jesus referiu-se a Ele próprio. A melhor maneira de solucionar essa dúvida é ler o que Pedro escreveu. De acordo com o que se lêna epístola deste apóstolo, Jesus é a pedra sobre a qual a Igreja é edificada. O texto nos coloca como pedras vivas, que são edificadas sobre a pedra principal que é Jesus.

c) A pedra angular (v.6), principal era colocada no canto da construção e a partir dela os construtores trabalhavam tanto horizontal quanto verticalmente, para levantar e orientar as paredes. Assim, Cristo é a base e o padrão segundo os quais Deus constrói o edifício do qual somos parte. Jesus é a pedra principal e nós temos que seguir o Seu padrão. Os que aceitam essa “Pedra”(padrão), não serão envergonhados (v. 6), porém os que a rejeitam, tropeçarão.

 

II – Nossa identidade.

a) “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (v.9).

b) A Palavra de Deus nos dá a identidade que devemos agregar à nossa vida. Ela diz que somos eleitos por Deus. https://www.viagrasansordonnancefr.com/viagra-prix/ Já que Deus nos elegeu, quando recebemos Cristo como nosso salvador, ninguém vai conseguir um impeachment contra nós. A Escritura também nos diz que somos sacerdócio real, uma nação separada para Ele; portanto somos exclusivos para Deus. Sendo pessoas com essa maravilhosa identidade, recebemos o comissionamento de anunciar as grandezas do nosso Deus.

c) Somos o que a Bíblia diz que somos, nem mais nem menos. Quando assumimos essa nova identidade dada pela Palavra de Deus, não somos mais pessoas comuns. Pois, pela graça salvadora de Cristo, somos feitos novas criaturas; então vivemos uma nova identidade. O versículo 10 nos lembra que esse privilégio é resultado da misericórdia divina, não de nossos méritos.

 

III – Sacerdotes da atualidade.

a) “[…] sacerdócio santo” (v.5). “[…] sacerdócio real” (v.9). “e nos constituiu reino e sacerdotes para servir a seu Deus e Pai. A ele sejam glória e poder para todo o sempre! Amém” (Ap 1.6).

b) O ofício de sacerdote começa a aparecer na Bíblia na figura de Melquisedeque (Gn 12.18-20). Ele alimentou Abrão, abençoou-o, glorificou a Deus e recebeu o dízimo. Após, vê-se o sacerdócio levítico. Deus escolheu a tribo de Levi para cultuar e cuidar para que toda a nação, também, pudesse cultuar a Deus. Eles ofereciam sacrifícios em favor do povo e colocavam as causas do povo diante de Deus (Ex 29.44;30.30). Quando Jesus vem ao mundo, ele se torna o grande e eterno sumo sacerdote. Após a morte, ressurreição e ascensão de Cristo, o apóstolo Pedro, inspirado pelo Espírito Santo, diz que nós somos o sacerdócio atual aqui na terra. No decorrer do tempo estabeleceu-se uma ideia de que sacerdotes eram só os que faziam parte do clero. Proibiu-se que o povo tivesse a Bíblia em suas mãos, pois só alguns poucos seriam os sacerdotes com condições de tê-la. A função de compartilhar a Palavra de Deus e de buscar a Deus em favor de outros estava apenas com o clero, e as pessoas que não tinham as ordenações especiais, não poderiam exercer essas funções. Martinho Lutero, na reforma protestante, lutou para que a Bíblia fosse colocada na mão do povo e também defendeu o Sacerdócio universal de todos os cristãos. A partir de então essa verdade bíblica foi resgatada e deve ser anunciada até a volta de Cristo.

c) A Bíblia diz que somos esse sacerdócio santo e real, portanto devemos ser aqueles que oferecem sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo (v.5). Somos desafiados a anunciar as grandezas do Senhor e a sermos aqueles que colocam as causas dos homens diante de Deus (intercessores). Que todos nós aceitemos o desafio de exercer os ofícios sacerdotais.

 

Concl. Sejamos pedras alinhadas com a pedra principal, assumamos a identidade que a Bíblia nos dá. Aceitemos, como indivíduos e como igreja, o sacerdócio que a Palavra de Deus nos desafia a exercer.

Pastor Silas Zdrojewski