Sansão foi o último juiz de Israel, mesmo que Eli e Samuel foram assim chamados, no entanto eles foram mais sacerdotes e profetas. Sansão quer dizer: “Como o sol”. Este homem nasceu para brilhar; brilhou, mas também foi escurecido por suas fraquezas. Este israelita foi chamado por Deus para ser um nazireu permanente, não apenas pelo período de um voto específico. A Bíblia ensina que um nazireu não deveria cortar seu cabelo, não poderia participar de nada que viesse da videira,não comer nada impuro e, também, não poderia se aproximar de cadáveres (Nm 11; Jz 13.4,5). A história deste herói é épica, extraordinária, lembra os super-heróis da TV, mas não é ficção; Sansão foi uma realidade. Duas coisas se destacam,nitidamente, na vida deste homem: a sua força e as suas fraquezas. Vamos olhar para esse texto, analisar esses dois extremos da vida de Sansão e buscar aplicações para a nossa vida.

 

I –A força de Sansão.

a) Ele era um israelita, portanto, aliançado com o Deus todo-poderoso (14.3).Tinha um chamado especial “[…]o menino será nazireu, consagrado a Deus desde o nascimento; ele iniciará a libertação de Israel das mãos dos filisteus” (13.5).

b) Foi abençoado por Deus, o Espírito Santo agia na vida dele (13.25) e o capacitava com uma força extraordinária. “O Espírito do Senhor apossou- se de Sansão, e ele, sem nada nas mãos, rasgou o leão como se fosse um cabrito” (14.6); “[…] Mas o Espírito do Senhor apossou-se dele. As cordas em seus braços se tornaram como fibra de linho queimada, e os laços caíram das suas mãos” (15.14).

c) A nossa força está nas mesmas bases, pois estamos em aliança com Deus, somos chamados por Ele, temos o Espírito Santo em nós e por meio dEle podemos nos fortalecer e vencer os nossos inimigos.

II – As fraquezas e a queda de Sansão.

a) Não vigiou e começou a fazer concessões. Circula em meio aos vinhedos (14.5). Toca no cadáver do leão para obter mel – algo doce – (14.8,9). Em uma longa festa do seu casamento deve ter tomado vinho (14.10).

b) Corrompeu-se moralmente “Certa vez Sansão foi a Gaza, viu ali uma prostituta, e passou a noite com ela” (16.1). Apaixonou-se por uma mulher perversa “Depois dessas coisas, ele se apaixonou por uma mulher do vale de Soreque, chamada Dalila” (16.4). Deixou-se envolver por Dalila, entregou-lhe o segredo de sua força, ficou afastado de Deus, teve seus olhos perfurados e tornou-se um escravo (16.6-22).

c) Quando se dá vazão às fraquezas o processo de queda começa a ocorrer em nossa vida. Precisamos cuidar com as “pequenas concessões”, com a vida moral e com as paixões pelas coisas mundanas. Se nos deixarmos envolver por elas, seremos cegados e nos tornaremos escravos do pecado.

III – A restauração de Sansão.

a) Enquanto arrastava o moinho, com certeza, ele refletiu muito sobre as decisões erradas que tomou, quebrantou-se diante de Deus e seu cabelo voltou a crescer.“[…] Prenderam- no com algemas de bronze, e o puseram a girar um moinho na prisão. Mas, logo o cabelo de sua cabeça começou a crescer de novo” (16.21b,22).

b) Ao ser chamado para ser objeto de zombaria e de louvor ao deus Dagom, ele ora a Deus e impõe a maior derrota ao seu inimigo, mesmo que isso lhe tenha custado a própria vida. “E Sansão orou ao Senhor: “Ó Soberano Senhor, lembra- te de mim! Ó Deus, eu te suplico, dá-me forças, mais uma vez […]” (16.25). Mesmo que os filhos de Deus falhem, Deus nunca perderá.

c) Diante de nossas fraquezas, quebrantemo-nos diante de Deus, submetamo-nos a um processo de restauração; oremos a Deus; Ele nos ouvirá e nos restaurará.

Concl. Sejamos vigilantes quanto as nossas fraquezas e, se caímos, creiamos no poder restaurador de Deus. Busquemos renovar as forças na aliança que temos com Deus, nas bênçãos dEle sobre nós e no poder do Espírito Santo. Assim, veremos a misericórdia e a graça de Deus se manifestando em nossa vida.