SITE

O Valor da Evangelização nos Grupos Pequenos

“Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. Mateus 28.18-20 Essa é a missão, o mandato, o chamado de todos os cristãos. Aygo simples de entender, mas que demanda obediência e dedicação para se cumprir. Jesus disse: façam discípulos, batizando-os e ensinando-os. Isso denota uma caminhada, um processo, o qual só irá existir por meio de relacionamentos. E sem dúvidas, o GP (Grupo Pequeno) é melhor lugar para se desenvolver este. É o lugar para se conectar. Acredito que o primeiro pensamento que devemos ter antes de convidar alguém para um grupo pequeno é se colocar no lugar da pessoa que está sendo convidada. O que faria você visitar um grupo de pessoas que você não conhece? Como você gostaria de ser recebido? Que tipos de conversas você gostaria de ter, como seria importante se sentir acolhido e segura naquele lugar. Pense em todos os detalhes importantes que muitas vezes são esquecidos pelas preocupações adversas. Gostaria de compartilhar um exemplo de um dos grupos pequenos da minha supervisão. Este grupo reservou um pequeno e aconchegante salão de festas. Cada integrante do grupo fez um prato de comida, podíamos ver a dedicação das coisas nos detalhes. Os membros do grupo combinaram de não se sentarem juntos, mas que cada um estaria em uma mesa juntamente com as suas visitas ou interagindo com os convidados. A abordagem do convite foi da seguinte forma: “vamos ter um café entre amigos e cada um poderá convidar alguns amigos que sejam especiais. E eu gostaria de convidar você para ir comigo. Terá um momento de música é um bate papo”. Foi o que aconteceu, após cantarem duas músicas, algumas pessoas do grupo levantaram e testemunharam como o grupo pequeno era importante na vida delas. E deu super certo! Inclusive o esposo de uma das moças que não era convertido hoje está envolvido em grupos pequenos (como facilitador em treinamento) e em outras atividades. Este é apenas um exemplo, mas extraindo alguns princípios vemos que tudo aquilo que é feito com carinho e dedicação dá frutos. O fato de olharmos para alguém e mostrarmos que realmente nos importamos com aquela pessoa dedicando tempo e atenção pode resultar em salvação eterna. Jesus disse para “Negar-se a si mesmo“. Se não temos entendimento deste trecho bíblico dificilmente iremos conseguir ganhar pessoas para Jesus. É preciso desprendimento de celulares, televisão e tantas outras distrações. Precisamos “parar por um“. Jesus é o exemplo claro disso. Ele parou por uma pessoa em meio a multidão para curar, isso promoveu fé em Jesus e resultou em salvação para muitos. Se eu fosse uma visita em um grupo pequeno de uma igreja e não fosse convertido a minha expectativa seria a de ver Jesus na vida daquelas pessoas. Gostaria de encontrar um lugar onde pudesse compartilhar as minhas dificuldades e pudesse receber algo de Deus através da oração. Os crentes pensam que podem fazer eventos evangelísticos sem falar o nome JESUS. Permita discordar disso um pouco.  Afinal, as pessoas vão ao cinema para ver filmes? Ao shopping para comprar roupas? E em mercados para fazerem compras? Se alguém está disposto a ir em um grupo pequeno onde se fala de Jesus. Ela de fato está aberto para conhecê-Yo. Minha expectativa também estaria em me sentir amado. O pensamento geral é “O mundo está cheio de maldades e talvez dentro da igreja eu encontre o amor”. Talvez você pense que isto é algo fácil dentro de um grupo. Mas na verdade este um grande desafio. As pessoas da igreja são tão ciumentas e pecadoras como os de fora da igreja. Somos todos pecadores. “Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus“. Enfim, o nosso com foco precisa estar em entendermos que somos todos iguais e que precisamos do amor de Deus para amar, do Espírito Santo para nos arrepender dos nossos pecados. E que não somos superiores aquelas pessoas que não se entregaram ao amor de Jesus. Nosso foco precisa mudar. Precisamos olhar as pessoas como pedras preciosas que precisam ser levadas até a Coroa. Percebo que a vaidade nos impede de cumprir o mais básico do Evangelho. Se o foco está em nós mesmos, não está nos outros. Se o foco está em acumular dinheiro, não estará em ajudar aos pobres. Se o foco está nas preocupações do nosso dia-a-dia não teremos tempo para os outros. Acredito que existe a boa vontade de Deus e que exista a perfeita vontade de Deus. Muitas vezes corremos atrás de coisas que são “boas”. É bom que eu seja feliz, é bom que eu tenha algumas posses. Mas qual é a vontade perfeita de Deus? O foco está no outro sempre. “Quem tem os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama. Aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me revelarei a ele”. João 14:21
CARLOS NÁPOLI VIEIRA (CARLINHOS)

CARLOS NÁPOLI VIEIRA (CARLINHOS)

Pastor de jovens @altafrequenciacwb, dirigente de louvor e supervisor de Grupos Pequenos na Primeira IEQ. Marido da Suelen e pai das gêmeas Alice e Ana. Compositor e vocalista na @indeleveloficial. Um dos líderes do GKPN Youth e da Semana de Avivamento (SDA). Graduado em Engenharia Ambiental pela UNESC e pós-graduado em Engenharia de Segurança do Trabalho pela UTFPR. Bacharel em Teologia pelo CVQ.

Share this post